25 Comentários

  1. Pancho

    Só li verdades. Este texto é bem real… a gente às vezes faz algumas coisas sem pensar ou imaginando que não vai fazer muita diferença algum pequeno detalhe. Eu mesmo mudei muito a minha forma de apresentar os orçamentos e com estas dicas vou poder melhorar ainda mais. Show de bola!

    Responder

    1. Obrigado Karine! Agradeço por você estar aqui e por ter se identificado com o texto de alguma forma.
      Se tiver sugestões para próximas postagens, por favor, fique a vontade para dizer.

      Responder
  2. Edson Kohatsu

    Quanto mais preparado formos para captar serviços mais chances de todos termos satisfação em trabalhar e vermos o resultados dos esforços recompensados corretamente. Parabéns pelo texto, Francis!

    Responder

    1. Legal Edson! Você já tem uma bagagem para falar isso com propriedade. Estamos constantemente nos aprimorando e buscando o conhecimento, além do AUTOconhecimento, né. Obrigado pelas sábias palavras e muito obrigado mesmo por prestigiar este trabalho.

      Responder
  3. Tauan Vivekananda

    Muito bom! Eu já me ferrei por passar orçamento de qualquer jeito também, mas me ferrei mais ainda por fazer as coisas “no fio do bigode”, sem ter nenhum contrato…

    Responder

    1. Um dos principais inimigos da gente em alguns casos é a preguiça. Preguiça de fazer o que deve ser feito na hora que deve ser feito e como deve ser feito.
      Devemos combater isso diariamente para conseguir ter mais autoridade no nosso mercado e transmitir profissionalismo para quem quiser nos contratar.
      É um exercício diário, pode apostar.

      Responder
  4. Fabiano Souza

    Caramba que texto ótimo! Hoje deixei a ilustração um pouco de lado mas ainda faço freela como designer e estou abrindo meu estúdio. O post foi muito útil principalmente no item 7. Eu era da opinião de que valor tinha que ser tudo igual, mas não tinha pensado na verdadeira função do meu trabalho para o cliente e em como isso iria repercutir depois. Hora de mudar as coisas por aqui. Valeu, galera!

    Responder

    1. Valeu Fabiano. Legal saber que você está na ativa novamente. Dia após dias conheço novos ilustradores mas ainda tem espaço para muita gente. Este lance do valor do trabalho ser referente ao impacto que ele vai causar na sociedade e para a empresa em questão é até meio polêmico, mas super importante que seja feita a distinção.

      Responder

  5. Muito útil e bem bacana esse post! Aliás, a dica sobre especificar bem o que se está cobrando salva vidas, além de educar o cliente sobre o que é de fato o serviço… *.*

    Responder

    1. Bem dessa Nana. Vix, quantas vezes eu deixei algo mal explicado e para não perder algum cliente importante tive que fazer muito mais do que o combinado. Mas a gente vai aprendendo né.

      Responder
  6. rhamandarodriguesdeoliveira rodrigues de oliveira

    Bom dia senhor Francis eu adorei esse conteúdo aprendi muito mais como desenhista tenho duvidas do valor a cobrar por desenhos no estilo manga sendo pintados se se cobra um preço e se sem pintar outro sei que estou iniciando e tenho muito que aprender ainda mais tenho essa duvida de quanto devo cobrar por cada trabalho desde já obrigado por sua atenção e sucesso sempre para o senhor . Atenciosamente Rhamanda Rodrigues de Oliveira .

    Responder

    1. Olá Rhamanda.. A gente está preparando um conteúdo justamente para isso, ok? O assunto é mais denso e só na resposta aqui não conseguirei explicar corretamente. Obrigado pela pergunta.

      Responder
  7. Bruno de França Freyn

    Ótimas dicas!! Achei muito úteis, com certeza vou usá-las. Mas fiquei com uma dúvida: como sou iniciante (aliás, ainda quero entrar nesse mercado), como faço pra calcular o prazo já que não tenho experiência? Como em desenvolvimento de software tem o Line of Code (não muito utilizado atualmente), Pontos Por Função, Homens-Hora, etc.
    Obrigadão!!

    Responder

    1. O mais ideal e aconselhável é que você pratique e finalize desenhos para você mesmo, para conhecer a sua forma de trabalhar e o tempo que você leva para determinados tipos de artes.
      Mesmo assim, temos um conteúdo que ainda não publicamos sobre formação de valores com relaçào ao tempo de desenho.

      Responder
  8. Felipe Freitas

    Muito bom o conteúdo, mas uma coisa que ainda não consegui visualizar é a maneira de como calcular o valor que vou cobrar por uma arte, o que levar em conta? como estipular um valor p cada fator? Vlw

    Responder

  9. Rolando a página, quando chequei ao Erro 4, o primeiro impulso foi pensar que era o Erro 404 do servidor HTTP. Quase paranóico. Esquecendo isso, ótimo texto!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *